Animais tratados e usados como coisas

Introdução ao Veganismo
Typography

De acordo com o livro Introduction to Animal Rights: Your Child or the Dog, de Gary Francione, a ser lançado no Brasil em breve, antes do século XIX, a cultura ocidental não reconhecia, no geral, que os humanos tinham qualquer obrigação moral e legal em relação aos animais.

De acordo com o livro Introduction to Animal Rights: Your Child or the Dog, de Gary Francione, a ser lançado no Brasil em breve, antes do século XIX, a cultura ocidental não reconhecia, no geral, que os humanos tinham qualquer obrigação moral e legal em relação aos animais.

Os animais não tinham nenhuma importância e estavam completamente fora da comunidade moral.

Poderia haver obrigação moral e legal em relação aos animais, mas estas obrigações estavam ligadas diretamente aos humanos e, de forma alguma, aos animais, que eram considerados “coisas”, sem habilidade de pensar ou sentir. Por exemplo, não machucaríamos a vaca do vizinho, porque ela poderia ser prejudicada e sofrer, mas porque tínhamos obrigação de não danificar a propriedade do vizinho.

Um exemplo desse pensamento vem do filósofo René Descartes (1596-1650), considerado o fundador da filosofia moderna, que afirmava que os animais não são conscientes, porque não possuem alma, a qual Deus as colocou apenas em humanos. Descartes reconhecia que os animais agiam de uma forma que parecia ser inteligente e com propósito e pareciam estar conscientes, mas eles não eram diferentes de máquinas feitas por Deus.

Ele se referia a eles como “autômatos ou máquinas que se movem.” Descartes aceitava que animais não são sencientes, conscientes de dor e prazer. Ele fazia experimentos e não levava em consideração as reações dos animais. Ele achava que os animais não eram diferentes de uma máquina que estava funcionando de forma imprópria; para ele um cão gritando não é diferente de uma máquina rangendo que precisa de óleo. Descartes achava que obrigação moral para com os animais era o mesmo que obrigações morais para com os relógios. Essa obrigação moral ao relógio é direcionada aos humanos; similarmente, podemos ter obrigação moral ao cão de alguém, mas essa obrigação é em relação ao dono e não diretamente ao cão.

Outro filósofo descrito no livro de Francione é Immanuel Kant (1724-1804). Kant não possuía as mesmas visões que Descartes, mas ainda negava que temos quaisquer obrigações morais em relação aos animais. Kant reconhecia que os animais são sencientes e podem sofrer, mas porque não são autoconscientes, nem racionais, eles são instrumentos do homem, para o nosso uso, sem valor por si só. Kant achava que quem era cruel com os animais, tornava-se cruel também nas relações humanas. Kant dizia que os animais existiam meramente como um meio para um fim. Esse fim é o homem.