A escolha que não temos

Introdução ao Veganismo
Typography

Uma indagação comum ao argumento de que se nos importamos com os animais, deveríamos nos tornar veganos é que isso é uma questão da escolha de cada um.

Uma indagação comum ao argumento de que se nos importamos com os animais, deveríamos nos tornar veganos é que isso é uma questão da escolha de cada um.

Primeiro, quando falamos de veganismo não estamos falando sobre a escolha de comprar uma camiseta azul ou verde ou coisas assim. Quando falamos sobre veganismo e pedimos para que as pessoas considerem se tornar veganas é porque o que está em jogo é a vida de bilhões de animais que sofrem desnecessariamente todos os tipos de violência a cada segundo e morrem somente para satisfazer propósitos bastante frívolos como prazer do paladar, moda, divertimento e outros.

Segundo, há várias questões na vida de cada um de nós que poderíamos achar que temos escolha, mas isso não significa que nossa “escolha” não prejudique a vida de outros. Por exemplo, talvez achemos que podemos escolher contar piadas racistas e continuar a reforçar, assim, o paradigma da discriminação racial. No entanto, quando realmente levamos os interesses de outros a sério, deveríamos colaborar para o fim do preconceito e não o contrário.

No que diz respeito aos animais não humanos, nós praticamos, todos os dias através de nossas atitudes, um outro preconceito chamado de especismo, ao excluirmos completamente outros seres sencientes da nossa esfera de consideração moral somente por serem de espécies diferentes. Não há nada de errado com esses bilhões de animais que são qualificados como nossa propriedade, como mercadorias, que usamos como recursos, como escravos. De fato, o valor moral que a vida deles tem é igual a nossa. Eles sentem dor, também sentimos. Eles sofrem, também sofremos. Eles querem ter uma existência contínua da mesma forma que nós. Errada é a noção de que o sofrimento, a dor, a morte que são impostos desnecessariamente a eles por nós é algo que podemos escolher.

Assim, da mesma forma que temos obrigação de rejeitar injustiças como racismo, sexismo, heterossexismo e outras, temos também obrigação de nos posicionar em relação à violência perpetuada pelo especismo através da adoção do veganismo. Falhar nesse posicionamento é o mesmo que aceitar que os animais não tem valor moral nenhum e que podemos fazer o que quisermos com eles. Se concordamos que eles são, de alguma forma, importantes e que é errado impor sofrimento e morte desnecessários a eles, somente a adoção do veganismo fará com que nossas palavras se alinhem às nossas ações.