Contemplando a vida de outros animais

Introdução ao Veganismo
Typography

O filósofo Gary Francione desenvolveu a teoria de direitos animais abolicionista, que tem como base moral o veganismo, e é autor de seis livros sobre o assunto. A sua teoria salienta, entre outras coisas, que todos os seres sencientes têm interesse em não sofrer e em continuar a viver, e esses interesses são necessariamente frustrados se eles são usados como recursos dos humanos. Desta forma, se realmente levamos os interesses dos animais a sério e se concordamos que é errado infligir sofrimento e morte desnecessários aos animais, deveríamos adotar o veganismo.

O filósofo Gary Francione desenvolveu a teoria de direitos animais abolicionista, que tem como base moral o veganismo, e é autor de seis livros sobre o assunto. A sua teoria salienta, entre outras coisas, que todos os seres sencientes têm interesse em não sofrer e em continuar a viver, e esses interesses são necessariamente frustrados se eles são usados como recursos dos humanos. Desta forma, se realmente levamos os interesses dos animais a sério e se concordamos que é errado infligir sofrimento e morte desnecessários aos animais, deveríamos adotar o veganismo.

 

E o que é o veganismo? Na visão do filósofo, o veganismo é a rejeição da coisificação dos animais não humanos como mercadorias, como propriedade e representa um compromisso com a não violência na vida cotidiana de cada um de nós. Assim, a pessoa que se torna vegana não come carne de nenhum animal e não consome qualquer produto de origem animal, como ovos, laticínios e mel.

Quando se trata de vestuário e entretenimento, esta é simplesmente uma questão de não comprar mais materiais feitos de animais ou produtos animais, e de não apoiar mais rodeios, circos, zoológicos e assim por diante. Além disso, a pessoa que é vegana evita usar produtos de higiene, limpeza, e outros que sejam testados em animais e que contenham ingredientes de origem animal. Tudo isso é fácil de fazer quando nós focamos no sofrimento e na morte do animal.

Num plano mais geral, o veganismo é um comprometimento com a abolição da escravidão animal. Da mesma forma que houve um reconhecimento que foi um equívoco escravizar outros seres humanos, mais e mais pessoas estão percebendo que justificativas como prazer, conveniência e diversão não são válidas, do ponto de vista ético, à escravização dos animais não humanos.

Assim, o motivo ético é o mais importante na adoção do veganismo. No entanto, há fatores adicionais, como a saúde e o meio ambiente, que colaboram para essa tomada de decisão. Com relação à saúde, a Associação Dietética Americana (ADA), por exemplo, “reconhece que as dietas vegetarianas apropriadamente planejadas, incluindo as dietas totalmente vegetarianas (veganas), são saudáveis, nutricionalmente adequadas, e podem oferecer benefícios na prevenção e no tratamento de doenças.” Há também consenso de que a criação de animais para comida não é boa para o meio ambiente. Para produzir 0,45 kg de carne bovina, por exemplo, é preciso 7,27 kg de grãos e de soja. É preciso entre 76 e 189 litros de água para produzir 0.45 kg de vegetais ou frutas, enquanto que é preciso 9.463 litros para produzir 0.45 kg de carne bovina, e 3.785 litros para produzir 3,78 litros de leite. E esses são apenas alguns exemplos.